Uncategorized

STRESS CRÔNICO PROVOCA DOENÇAS

Muito se fala sobre o stress, mal que aflige a sociedade dia a dia. Sabemos da necessidade de termos controle sobre ele para evitarmos as doenças que são desencadeadas pelo stress crônico.

885C0306-E875-4508-AA0C-ED509427FB34

A resposta ao estresse humano evoluiu para manter a homeostase sob condições de estresse real ou percebido. Este objetivo é alcançado através de sistemas neurais e hormonais autoregulatórios, em estreita associação com os relógios centrais e periféricos.

O eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal é uma via regulatória chave na manutenção desses processos homeostáticos.
O produto final desta via – o cortisol – é secretado em um padrão pulsátil, com mudanças em amplitude de pulso criando um padrão circadiano. Durante o estresse agudo, os níveis de cortisol aumentam e a pulsatilidade é mantida.

Embora o aumento inicial do cortisol ocorra após um grande surto nos níveis de hormônio trópico adrenocortico, se houver estresse inflamatório de longo prazo, os níveis de hormônio adrenocorticotrófico retornam aos níveis basais próximos, enquanto os níveis de cortisol permanecem aumentados como resultado do aumento da sensibilidade adrenal.

No estresse crônico, a ativação hipotalâmica da hipófise muda de corticotropina liberando hormônio dominante para arginina vasopressivo dominante, e os níveis de cortisol permanecem aumentados devido, pelo menos em parte, à diminuição do metabolismo do cortisol.

Elevações agudas nos níveis de cortisol são benéficas para promover a sobrevivência do mais forte como parte da resposta do combate a incêndios.

No entanto, a exposição crônica ao estresse resulta na reversão dos efeitos benéficos, com a exposição a longo prazo do cortisol se tornando mal-adaptativa, o que pode levar a uma ampla gama de problemas, incluindo a síndrome metabólica, obesidade, câncer, transtornos mentais, doenças cardiovasculares e aumento da suscetibilidade a infecções.

Modulação neuroimunoendócrina em estados de doença e terapias baseadas em glicocorticóides também são discutidas.

fonte: Nature Reviews/ Endocrinology

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s